NOTAS SOLTAS E RUÍDOS ESCRITOS

sexta-feira, 27 de julho de 2007

Nação Zumbi - Festival Indie Rock

A segunda noite do Festival Indie Rock já nascia com clima de dúvida no ar. Afinal superar a catarse promovida pelos Magic Numbers, no dia anterior, era, no mínimo, tarefa ingrata. No entanto, coube a uma banda literalmente de peso iniciar os trabalhos no Circo. Em substituição ao Mombojó, o Nação Zumbi, por exigência de sua empresária, fez o primeiro show da noite para uma platéia quase-ninguém composta por cerca de 200 pessoas, que apressadas e surpresas correram para assistir o começo do show da Nação. Na real muita gente ainda pensava que os zumbis seriam a segunda banda da noite, justamente pela sua posição há muito tempo pós-indie, artistas sacramentados há mais de anos no cenário nacional.

Mas como não teve jeito, quem pode assistir saiu extasiado com a já conhecida e inesgotável simbiose do maracatu atômico. Resgatando clássicos de sua trajetória como “Mangue Town”, “Macô”, “Maractu Atômico”, entre outras pérolas dos mais recentes trabalhos como “Meu maracatu pesa uma tonelada”, “Blunt of Judah” e "Vai Buscar", os cabras liderados pelo registro grave e mesclado por efeitos e reverbs de Jorge du Peixe foram como sempre inspiradíssimos até o final da apresentação, com “Quando a maré encher”.

Destaque, como não poderia deixar de ser, para o guitar-hero Lúcio Maia, mentor de sonoridades altamente voláteis e climáticas. O guitarrista que lançou recentemente o ótimo "Homem Binário" agia como uma elétrica centopéia em meio as suas dezenas de pedais de efeito. Empunhando e revezando suas clássicas armas, SG e Stratocaster de cor creme, Lúcio roubou a cena e fez o show, que começou com um climão esquisito, pegar fogo.

No entanto, por causa do fiasco em termos de público, o que se viu foi um show aquém do que o Nação Zumbi costuma proporcionar às suas platéias. Curto, com duração de apenas uma hora e com muito espaço vazio na tenda era notável a diferença em relação ao recente show da banda, no mesmo Circo Voador, cerca de um mês e meio atrás, onde com preço acessível, os pernambucanos sozinhos puxaram mais de três mil pagantes. Jorge Du Peixe agradeceu a platéia e anunciou sem qualquer embaraço ter esquecido o nome das bandas que viriam em seqüência. Normal, o Nação anda trancafiado em estúdio para produzir seu sétimo álbum de carreira, que sai pela Deckdisc em setembro. A seguir resenhas de Móveis Coloniais de Acajú e os londrinos do The Rakes.

Foto: L. Felipe Reis

2 comentários:

Manu disse...

atualizaciones por favor

Anônimo disse...

what bands are good to see for emo hairstyles?
[url=http://www.emo-hairstyles.info/]emo hair[/url]