NOTAS SOLTAS E RUÍDOS ESCRITOS

terça-feira, 19 de junho de 2007

Festivais Indie

Foi dada a largada para a correria em bilheterias, economias de porquinho e etc. TIM Festival, Indie Rock Festival e shows internacionais avulsos. Se há dois anos atrás com o dólar em alta os shows internacionais eram escassos 2007 está sendo um ano dos mais bacanas e generosos para os amantes do rock "moderno". É chegada a hora dos preparativos para a festa de shows indies que ocorrerão a partir do segundo semestre.

A primeira versão do Indie Rock Festival, a ser realizado nos dias 25 e 26 de julho no Circo Voador e também em São Paulo está confirmada. O festival, que é um misto de duas bandas internacionais e quatro nacionais, vai contar na primeira noite, quarta-feira a partir de 21h30, com Lucas Santtana & Seleção Natural, os paulistas do Hurtmold e os gordinhos e fofos do The Magic Numbers; já na quinta-feira no mesmo horário, a festa fica por conta dos ótimos Mombojó, da big band brasiliense Móveis Coloniais de Acaju e dos londrinos do The Rakes.

Entre o Indie Rock e o super especulado Tim Festival, calma ainda chego lá, rola show de Marilyn Manson na Fundição Progresso dia 25 de setembro, em turnê de lançamento de seu pop/gótico cd "Eat Me Drink Me", tem Incubus, em turnê de "Light Grenades", um dia após o dia das crianças, em 13 de outubro no Citybank Hall do Rio e dias 14 e 15 em SP.

Agora sim, confirmadas as primeiras três apresentações do TIM Festival 2007, a ser realizado entre os dias 25 e 31 de outubro: Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Vitória. São elas The Killers, Arctic Monkeys and Juliette and the Licks, que tocarão na Marina da Glória. Além destes corre na boca pequena, agora cada vez mais larga, que Atony and the Johnsons, Cat Power e talvez Bjork e Kaiser Chiefs apareçam no festival. É só esperar a bilheteria abrir, segundo o site do Arctic Monkeys, Tickets a partir de 27 de agosto!
Segue abaixo sessão myspace dedicada a quem quiser conhecer ou apenas sacar o som das bandas citadas acima.

Internacionais:

3 comentários:

marcelo alves disse...

Desta vez, meu caro, sou obrigado a discordar num pequeno detalhe. Mombojó é muito fraco. Assisti ao show deles no Tim Festival do ano passado e achei abaixo da crítica. Lamentável. Dessa leva de shows aí, o que mais aguardo sem dúvida é o do Marilyn Manson. Ele merecia, inclusive, um lugar maior do que a Fundição. Arctic Monkeys estou curioso para assistir. Espero que os ingressos não sejam tão caros

Luiz Felipe Reis disse...

Grande Alves Marcelo Alves! Se por um caso resolver dar uma última chance aos seus ouvidos e colocar o último CD "Homem-Espuma" dos meninos do Mombojó pra tocar, talvez mude de opinião. Os garotos são novos e muito talentosos. Produção caprichada, boas melodias e letras e inventividade acima da média do que vemos ai nesse cenário nada animador, onde for fun, cpm 22, nx zero e etc aparecem como as novas cartas da MTV. Quanto a Manson, acho que o problema não é um local maior, mas um local que ofereça som de qualidade. Aturar a porrada pop/gótica de Manson naquela máquina descontrolada de reverb vai ser tarefa ingrata aos nossos sensíveis tímpanos. aguardo com boas expectativas: Magic Numbers, Antony and the Johnsons e arctic Monkeys....ahh e Incubus!

Abraços!

marcelo alves disse...

Certamente, apesar de minhas críticas, o Mombojó, pelo que vi no show é muito melhor do que estes que você citou. Na platéia, alí, sem compromisso, no aguardo do que seria o espetacular show da Patty Smith, eles me lembraram o Chico Science com menos talento. Mas ainda assim torci a cara. De qualquer forma, tentarei ouvir este disco que me sugeristes.
Quanto ao som das casas, concordo plenamente. Ainda não conheço o Vivo Rio, mas dos lugares que conheço o Canecão é desparado o melhor som do Rio de Janeiro. O Claro Hall é aquele problema que conhecemos muito bom e também não gostei da Fundição quando da apresentação do Franz Ferdinand. Parece que os donos das casas não se preocupam com a música. Para que né? Eles vendem shows. Não tem nada a ver mesmo. rsrs